Após chegada de 60,5 mil doses da vacina contra Covid-19, DF inicia vacinação ampliada de profissionais de saúde

Inicialmente, imunização estava prevista apenas para aqueles que atuam diretamente no combate ao coronavírus. Segundo Secretaria de Saúde, aplicação seguirá com doses da primeira remessa da CoronaVac.

Central Distrital da Rede de Frio do Programa Nacional de Imunização, no DF, recebe primeiras doses da vacina contra Covid-19 — Foto: Geovana Albuquerque/Agência Saúde-DF

Com a chegada de 60,5 mil doses da vacina contra a Covid-19 – CoronaVac e AstraZeneca, nesta semana (relembre abaixo), a Secretaria de Saúde do Distrito Federal iniciou a vacinação ampliada de profissionais de saúde das redes pública e privada da capital. Parte dos imunizantes foi distribuída, na manhã desta terça (26), para as Redes de Frio Regionais.

Inicialmente, a imunização estava prevista apenas para aqueles que trabalham diretamente no combate ao novo coronavírus. Entretanto, o público-alvo foi estendido. Confira quem faz parte:

  • Trabalhadores de saúde da Rede SES/DF de todos os níveis de atenção à saúde, bem como do Instituto de Gestão Estratégica de Saúde do Distrito Federal (IGES/DF), Serviço de Atendimento Móvel e Urgência (SAMU), da Fundação Hemocentro de Brasília (FHB), da Fundação de Ensino e Pesquisa em Ciências da Saúde (FEPECS) e da Administração Central (ADMC);
  • Trabalhadores dos hospitais privados, conveniados, filantrópicos, universitário e militares;
  • Trabalhadores dos serviços de Atenção Pré-Hospitalar (APH): Resgatistas do Corpo de Bombeiros Militar e outras instituições privadas que prestam APH;
  • Trabalhadores da saúde que serão vacinadores;
  • Idosos maiores de 60 anos que vivem em Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPI) e os colaboradores das instituições;
  • Pessoas a partir de 18 anos de idade com deficiência residentes em residências inclusivas (institucionalizadas) e os colaboradores das instituições;
  • Pacientes em AD2 e AD3 internação domiciliar, além de um cuidador familiar por paciente;
  • Pacientes em SAD-AC de internação domiciliar;
  • População indígena que reside em terras indígenas;
  • Profissionais de saúde inscritos nos programas de residência médica e multiprofissional, profissionais de saúde voluntários, profissionais de vigilância, limpeza e administrativo que atuam nas áreas supracitadas.

Em nota a secretaria informou que os funcionários de hospitais particulares serão vacinados em suas respectivas unidades, assim como os servidores da rede pública de saúde, que serão orientados pelas chefias dos setores e por informações publicadas na rede interna de comunicação.

Ainda de acordo com a pasta, por enquanto, a vacinação continuará ocorrendo com as doses recebidas da primeira remessa da CoronaVac – desenvolvida pelo Instituto Butantan e pela farmacêutica chinesa Sinovac.

“Conforme os estoques das regiões forem terminando serão encaminhadas as doses da vacina AstraZeneca, assim evitaremos possíveis confusões na aplicação neste momento, já que são vacinas de fabricantes diferentes.”

Segundo o secretário-adjunto de Saúde do DF, Petrus Sanchez, na próxima semana, haverá uma nova reunião para deliberar sobre a chegada de novos lotes de vacinas à capital. Depois disso, haverá uma análise sobre a inclusão de novos públicos na campanha.

Diferenças entre as vacinas

Tanto a vacina da Universidade de Oxford quanto a CoronaVac precisam ser aplicadas em duas doses. No entanto, há diferenças nos dois imunizantes.

A CoronaVac precisa de um intervalo de 15 a 28 dias entre a primeira e segunda doses. Por isso, a Secretaria de Saúde afirma que vai priorizar a garantia da aplicação das duas doses com o material já disponível. Segundo a SES-DF, a segunda dose da CoronaVac começa a ser administrada em 2 de fevereiro.

Vacina de Oxford/AstraZeneca  — Foto: Heudes Regis/Governo de Pernambuco/Divulgação
Vacina de Oxford/AstraZeneca — Foto: Heudes Regis/Governo de Pernambuco/Divulgação.

Já com relação às vacinas da AstraZeneca, a pasta pretende seguir outro planejamento. Neste caso, o intervalo entre a primeira e a segunda é maior, de oito a 12 semanas. Por isso, a SES-DF pretende usar todas as 41,5 mil vacinas recebidas no último domingo (24) na aplicação da primeira dose, e aguardar um novo carregamento para a segunda aplicação.

A SES-DF afirma que está reforçando com os aplicadores de vacinas que os cartões vacinais precisam trazer a data da primeira dose, o fabricante e a data de retorno para a segunda dose. Para garantir a imunização, é imprescindível que as duas doses aplicadas sejam da vacina do mesmo fabricante.

Imunização no DF

Segundo a Secretaria de Saúde, até as 19h desta segunda-feira, 18.522 pessoas haviam sido vacinadas contra a Covid-19 na capital. O Distrito Federal segue o plano nacional de imunização do governo federal, e as vacinas usadas na capital são enviadas pelo Ministério da Saúde.

De acordo com o governador Ibaneis Rocha (MDB), a vacinação no DF “tem dado certo”. “As vacinas têm sido distribuídas de forma racional pelo Ministério da Saúde. Acredito que não deva se instalar uma corrida entre os estados para compra da vacina”, afirma.

Carregar Mais Publicações

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ERROR: si-captcha.php plugin: GD image support not detected in PHP!

Contact your web host and ask them to enable GD image support for PHP.

ERROR: si-captcha.php plugin: imagepng function not detected in PHP!

Contact your web host and ask them to enable imagepng for PHP.

Veja também

Médicos veem flexibilização precoce da quarentena em SP

Eles temem por um novo colapso da rede hospitalar e apontam o risco de um “ciclo sem…