Coronavírus: variante do Reino Unido é confirmada no DF, diz Fiocruz

Secretaria de Saúde, no entanto, não confirma registro da cepa B.1.1.7. na capital. Especialistas dizem que nova mutação pode ser mais contagiosa; entenda.

Mutações na nova variante podem deixá-la mais infecciosa — Foto: Getty Images via BBC

A Fundação Oswaldo Cruz (Friocruz) confirmou o registro da variante B.1.1.7. do novo coronavírus no Distrito Federal. A nova cepa, identificada primeiramente no Reino Unido, já tinha sido detectada nos estados de Goiás, Rio de Janeiro e São Paulo.

A Secretaria de Saúde, no entanto, não confirma a informação divulgada pela Fiocruz. De acordo com a pasta, a Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Divep) e o Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen) monitoram todos os casos de Covid-19 registrados na capital do país.

“Até o presente momento, não houve devolutiva com confirmação de sequenciamento com outra variante da Covid-19”, informou a secretaria.

Os registros sobre a identificação das novas variantes da Covid-19 apareceram na plataforma online da Fiocruz chamada de Demonstrativos de Linhagens e Genomas SARS-CoV-2. De acordo com a ferramenta, 11 amostras do DF foram analisadas (veja abaixo).

Fiocruz confirma nova variante da Covid-19 no DF — Foto: TV Globo/Reprodução
Fiocruz confirma nova variante da Covid-19 no DF — Foto: TV Globo/Reprodução.

Apesar de confirmar a detecção da nova cepa na capital, a plataforma da Fiocruz não apresenta detalhes sobre os infectados ou a data de notificação dos casos.

Transmissão e vacina

Estudo publicado em dezembro do ano passado descreve que os dois primeiros casos da B.1.1.7. foram detectados na cidade de Kent e em Londres, em 20 e 21 de setembro, respectivamente.

Autoridades locais, dois meses depois, informaram que a variante do Reino Unido é entre 50% a 74% mais contagiosa. Entretanto, não há evidências de que ela provoque a doença de forma agravada ou não responde às vacinas.

Além disso, a vacina desenvolvida pelas empresas Pfizer e BioNTech contra a Covid-19 conseguiu neutralizar, em laboratório, três variantes do coronavírus, incluindo a do Reino Unido, aponta um estudo publicado na revista científica “Nature Medicine” em 8 de fevereiro.

Além disso, a Moderna, empresa americana de biotecnologia que produziu uma vacina de RNA contra a Covid-19, anunciou, em janeiro, que o imunizante conseguiu neutralizar duas mutações do coronavírus em testes de laboratório. Entre elas, o B.1.1.7.

No caso da CoronaVac, produzida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantan, a eficácia dela está sendo checada contra a nova cepa. A informação foi confirmada na segunda-feira (15) pelo governo de São Paulo.

Nova cepa no Entorno

A Secretaria Estadual de Saúde (SES) de Goiás identificou a variante do Reino Unido do coronavírus em dois moradores de regiões do Entorno. Os casos foram constatados em Luziânia e Valparaíso de Goiás, municípios localizados a menos de 60 quilômetros do centro de Brasília.

De acordo com a pasta, os contaminados tiveram contato com uma pessoa que chegou recentemente da Inglaterra. Após a confirmação, as autoridades goianas reforçaram que as medidas de prevenção devem ser seguidas.

 

Carregar Mais Publicações

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ERROR: si-captcha.php plugin: GD image support not detected in PHP!

Contact your web host and ask them to enable GD image support for PHP.

ERROR: si-captcha.php plugin: imagepng function not detected in PHP!

Contact your web host and ask them to enable imagepng for PHP.

Veja também

Zoológico de Brasília se torna o lar de um filhote de cervo-do-pantanal

Dudu, um filhote de cervo-do-pantanal, foi resgatado em uma fazenda em Mato Grosso. Animal…