Vaivém de ação e omissão marca a política enquanto tragédia toma vida real

O vírus não respeita ideologias, e ainda não se sabe quem pagará a conta do flagelo que já soma 300 mil mortos pela covid-19

(EVARISTO SA / AFP)/Getty Images)

Acenderam o sinal amarelo na Câmara dos Deputados. Na Faria Lima, o semáforo está intermitente, procurando uma via livre que não dobre à direita nem à esquerda. Ao centro e adiante, dizem os acionistas da especulação. Sinal vermelho somente para o chanceler Ernesto Araújo, que tal qual um personagem de Ensaio sobre a Cegueira, não vê nada neste momento.

Ao mundo real, falta ar. Faltam oxigênio, leitos de UTI, insumos e sedativos para a dura tarefa de obrigar um corpo contaminado a respirar por aparelhos.

Atravessou-se o rubicão de 300.000 mortos pela covid-19. O vírus não respeita ideologias.
 É por um cenário de tragédia em que o mundo político se pega sem respirar, sem ter respostas e incapaz de articular de forma coerente as reações devidas. Houve medidas e ações em vários momentos, mas houve também omissões e erros de cálculo para prever certas consequências óbvias. E elas estão chegando. Ficarão ainda durante um tempo sendo ruminadas pelos principais atores da cena trágica.

A conta sempre chega, hora mais ou menos. É da lógica. Quem pagará ainda não está claro, mas há muitos candidatos recebendo os sinais de que terão prejuízo futuro.

Mas pelo menos há o sinal da vacina, crescendo e imunizando cada vez mais gente. Esse é o sinal verde diante de tantas luzes fechadas.

 

 

 

 

 

Carregar Mais Publicações

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ERROR: si-captcha.php plugin: GD image support not detected in PHP!

Contact your web host and ask them to enable GD image support for PHP.

ERROR: si-captcha.php plugin: imagepng function not detected in PHP!

Contact your web host and ask them to enable imagepng for PHP.

Veja também

Com vacinação mais lenta, abril projeta mais de 80 mil mortes por covid

Variantes mais agressivas e aumento das mortes entre os mais jovens mostram que distanciam…