segunda-feira, 30/11/20

São Paulo pode ter três cidades sem prefeitos no próximo ano  

Em todo caso, as cadeiras vagas deverão ser assumidas pelos vices ou presidentes das câmara

A maioria das prisões de prefeitos eleitos decretadas nos últimos dias tem como alvo políticos de São Paulo. O Estado reúne ao menos três cidades que devem entrar em 2017 cheias de incertezas e cadeiras vazias.

Em Osasco, na Grande São Paulo, o prefeito eleito Rogério Lins foi alvo da Operação Caça-Fantasmas, que investiga um esquema de desvios de salários de servidores da Câmara municipal. Em Embu das Artes, também na região metropolitana, o prefeito eleito Ney Santos é suspeito de lavar de dinheiro para uma organização criminosa.

Ambos estão foragidos.

Em Presidente Bernardes, o prefeito Lucas Rodrigues e o vice Reginaldo Cardilo foram presos por suspeita de coação de testemunha.

Segundo o Ministério Público Paulista, a série de casos não passa de coincidência porque não têm ligação.

Em todo caso, as cadeiras vagas deverão ser assumidas pelos vices ou presidentes das câmaras municipais até que os imbróglios com a Justiça se resolvam.

*Informações da repórter Carolina Ercolin- Jovem Pan

 


Veja esses Posts

PUBLICIDADE

Assine a nossa newsletter

Oh, olá 👋,
é um prazer conhecê-lo.

Inscreva-se para receber conteúdo incrível em sua caixa de entrada, todos os dias.

Não fazemos spam! Leia nossa política de privacidade para mais informações.

Navegue no Site

Culinária