Um jovem de 18 anos também foi preso. Os detidos integram um grupo comandado por Janderkleyton Pereira de Souza, 30 anos, mais conhecido como Taynan, preso por envolvimento em um homicídio de um adolescente de 17 anos

(crédito: PCDF/Divulgação)

A 4ª Delegacia de Polícia (Guará) deflagrou nova fase da operação Trem Bala, — que investiga uma quadrilha especializada em tráfico de drogas —, e cumpriu três mandados de prisão preventiva e cinco de busca e apreensão. Os detidos são integrantes de um grupo comandado por Janderkleyton Pereira de Souza, 30 anos, mais conhecido como Taynan, preso por envolvimento em um homicídio de um adolescente de 17 anos. O Correio revelou, em 10 de abril, que o criminoso está envolvido em outros cinco assassinatos e que conta com uma “rede” de traficantes para comercializar entorpecentes.

Nessa nova fase da operação, a polícia prendeu a mãe e a irmã de Janderkleyton, nesta terça-feira (20/4) . Como apurado pelo Correio, a mãe dele recebia as drogas e dividia para os encarregados em vender os entorpecentes aos usuários. Um jovem de 18 anos também foi detido, após os investigadores o flagrarem vendendo drogas na QE 40, próximo à linha do trem do Guará. Segundo a apuração policial, o rapaz era integrante da quadrilha.

Janderkleyton (e) e Josenilson (d) postavam fotos nas redes sociais apostando na impunidade
Janderkleyton (e) e Josenilson (d) postavam fotos nas redes sociais apostando na impunidade (foto: Redes sociais)

O jovem estava na companhia de outros dois adolescentes. Ao perceberem a aproximação dos policiais, o trio dispensou a droga e tentaram fugir, mas foram capturados. Os menores foram conduzidos à Delegacia da Criança e do Adolescente (DCA) e o maior foi preso em flagrante por tráfico de drogas, associação para o tráfico e corrupção de menores. Com ele, a polícia apreendeu pedras de crack embaladas para a comercialização e dinheiro. “As investigações continuam, pois ainda temos duas pessoas foragidas”, frisou o delegado-chefe da 4ª DP, Anderson Espíndola.

“Chefe” do tráfico

No começo de abril, o Correio revelou que a grande disputa entre traficantes por pontos de venda de drogas no Guará 1 e 2 matou, ao menos, seis pessoas entre o final de 2019 até o começo deste ano. Janderkleyton é intitulado como o cabeça do grupo. O Correio apurou que ele e mais seis pessoas da família integram uma rede de tráfico de drogas. O criminoso e os parentes moram em barracos no fundo de um lava-jato no Guará 2, do qual ele era proprietário, mas alugou o estabelecimento a outro parente.

Encarregado fiel de Janderkleyton, Josenilson Silva do Amarante, conhecido como “Demônio”, era braço direito de Taynan, mas foi preso na quinta-feira por cometer um homicídio em junho do ano passado, a mando de Janderkleyton.

Janderkleyton é investigado por seis homicídios e duas tentativas entre 2019 e 2021. Um deles foi o assassinato do sucateiro Aldo Bezerra Neto e do amigo, José Ailton Soares, em novembro do ano passado. À época, o caso teve grande repercussão no DF. Os dois foram mortos em frente a uma chácara, na Quadra 4, Conjunto 6, no Park Way. O carro de Aldo, uma Hilux branca, foi encontrado estacionado em frente ao portão de uma residência.

A rivalidade entre os criminosos do Guará 1 e 2 começou há, pelo menos, um ano, segundo a PCDF. No Guará 1, o chefe do bando é Carlos Alberto Lacerda, o “Mancha”, foragido da Justiça por mandar matar e esquartejar um homem de 35 anos no Guará, em junho passado. Anderson Rocha Alves foi torturado, queimado e teve as partes do corpo jogadas em uma estação de tratamento de esgoto da Companhia de Saneamento Ambiental do Distrito Federal (Caesb), na Avenida das Nações. Segundo as investigações, a vítima teria entregado dinheiro falso para comprar drogas, e o assassinato teria servido para dar “exemplo” aos demais.

Escreva um comentário