Governadores pedem a Bolsonaro ação diplomática com a China para obter insumos

Brasil depende do governo chinês para o envio da matéria-prima necessária na fabricação das vacinas contra a covid-19 produzidas pelo Instituto Butantan e pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz)

Presidentes Xi Jinping e Jair Bolsonaro – (crédito: Sergio Lima/AFP)

Encabeçado pelo governador do Piauí, Wellington Dias (PT), que coordena no Fórum de Governadores a temática Estratégia para vacina contra covid-19, grupo de governadores protocolou nesta quarta (20/1) um ofício ao presidente Jair Bolsonaro solicitando um diálogo diplomático entre o governo brasileiro e a China, para assegurar a importação de insumos necessários para a produção de imunizantes.

Subscrita por todos os governadores, a carta pede, ainda, que o governo se movimente para negociar com a Índia, de onde o Brasil aguarda duas milhões de doses da vacina de Oxford/Astrazeneca, produzida pelo Instituto Serum. Na terça (19), o governo indiano anunciou o início da exportação dos primeiros imunizantes, mas não incluiu o Brasil na lista.

Os governadores frisam o pedido de que seja avaliada a “possibilidade de estabelecimento de diálogo diplomático com os governos dos países provedores dos referidos insumos, sobretudo China e Índia, para assegurar a continuidade do processo de imunização no país”.

“A carta faz um apelo, e é um apelo em sintonia com o povo brasileiro, para que o presidente da República, com toda a diplomacia brasileira, governadores, ex-presidentes, quem puder ajudar, para que a gente possa ter esse diálogo com o governo da China, da Índia, da Rússia, para garantir que o Brasil tenha a garantia do cumprimento do cronograma para entrega do IFA, as condições de vacina tanto da Astrazeneca, Coronavac e Sputnik”, disse Wellington Dias.

Atraso

A relação conflituosa criada com a China pelo presidente Jair Bolsonaro e pessoas do seu entorno, como seu filho, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), e o próprio ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, dificultam o envio dos insumos necessários para a fabricação das vacinas no Brasil. Tanto o Instituto Butantan quanto a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) dependem do Ingrediente Farmacêutico Ativo (IFA) para produzir as doses de imunizantes aqui no Brasil.

Sem uma previsão do envio do insumo, a Fiocruz informou que irá atrasar a entrega de doses da vacina de Oxford/Astrazeneca de fevereiro para março deste ano, em ofício enviado ao Ministério Público Federal (MPF) na terça-feira (19).

Conflitos

Ao longo dos últimos dois anos, não foram poucos os ataques do governo à China. Durante a pandemia, o presidente Jair Bolsonaro disse por diversas vezes, categoricamente, que não iria adquirir a “vacina chinesa”, colocando a segurança do imunizante sempre em questionamento. Em um episódio mais recente, o deputado federal Eduardo Bolsonaro acusou a China de espionagem via 5G, e recebeu uma resposta da embaixada da China. O Itamaraty resolveu interferir, chamando a resposta chinesa de ofensiva e desrespeitosa.

O próprio chanceler não se furtou de fazer publicações mostrando suas posições em relação ao gigante asiático. Em abril do ano passado, ele publicou um texto em um blog pessoal chamando o coronavírus de “comunavírus”, dizendo se tratar de “projeto globalista” como o “novo caminho do comunismo”. Agora, o país não deve contar com a participação do chanceler para resolver o imbróglio de importação da matéria-prima vinda da China.

 

Carregar Mais Publicações

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ERROR: si-captcha.php plugin: GD image support not detected in PHP!

Contact your web host and ask them to enable GD image support for PHP.

ERROR: si-captcha.php plugin: imagepng function not detected in PHP!

Contact your web host and ask them to enable imagepng for PHP.

Veja também

Entidades médicas lançam protocolo para triagem de pacientes da UTI

Associação Médica Brasileira divulgou nesta sexta-feira (9/4) protocolos que podem ser usa…