Um asteroide vai atingir a Terra em 2022? Não é bem assim

Segundo a Nasa, chances de o asteroide causar problemas são baixas. Se por um acaso nada afortunado o asteroide caísse na Terra, o impacto conseguiria causar uma explosão maior que Hiroshima e Nagasaki

Terra: risco de asteroide atingir planeta é baixo (NASA/Divulgação)

Um asteroide de cerca de 13 metros de diâmetro passará perto da Terra em maio de 2022, com um risco baixo de atingi-la, segundo a Nasa. O 2009 JF1, como é chamado, tem uma probabilidade de 0,026%, ou seja, de uma em 3.800, de causar problemas para o nosso planeta. Mas não é preciso se preocupar – na escala de Turim, que mede os objetos próximos à Terra, a chance de isso acontecer é igual a zero.

Já segundo a Agência Espacial Europeia (ESA, na sigla em inglês), a chance de o asteroide sofrer um impacto com a terra é de uma em 4.166. Em junho do ano passado, a ESA afirmou que “o asteroide pequeno não havia sido observado desde a sua descoberta há 11 anos”, e é daí que vem a incerteza sobre o seu posicionamento.

Quer trabalhar na área de tecnologia? Aprenda data science e python do zero. Comece agora!

A pedra espacial é considerada perigosa pela Nasa, sendo qualificada como um objeto próximo à Terra – aqueles que perto o suficiente para ser considerados uma ameaça. Apesar da proximidade, não é provável que ele acabe atingindo o planeta, deixando-o ileso (pelo menos dessa vez).

Isso porque, segundo a agência espacial americana, um asteroide menor do que 25 metros queima ao entrar na atmosfera terrestre, causando pouco ou nenhum dano. Mas se por um acaso nada afortunado o asteroide caísse na Terra, seu impacto conseguiria causar uma explosão equivalente a 230 quilotons de dinamite – mais forte até mesmo do que as bombas que destruíram as cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki.

Little Boy tinha um poder de destruição de 16 quilotons, enquanto a Fat Man possuía 20 quilotons. A mais potente criada pela humanidade foi a russa Tsar, desenvolvida pela União Soviética. Com 58 megatons, ela foi testada em 30 de outubro de 1961, em Nova Zembla, uma ilha no oceano Ártico — uma ameaça grande o suficiente para assustar os Estados Unidos durante o período da Guerra Fria. Nada páreo para o poder de um asteroide.

É por conta desse potencial destruidor que as agências espaciais do mundo todo estão trabalhando para desenvolver formas de proteger a Terra de ameaças causadas por asteroides. Em julho deste ano, a Nasa pode lançar a sua missão DART, com o objetivo de observar o par de asteroides Didymos, que ficam próximos da Terra e causar uma colisão para reduzir o seu potencial destruidor.

A ideia é entender como um asteroide pode prejudicar a vida das pessoas no planeta e evitar que isso aconteça. O menor integrante da dupla, chamado de Didymoon, orbita seu parceiro maior enquanto fazem a sua viagem pelo Sol — por isso, a missão quer saber se é possível fabricar uma colisão entre ambos os asteroides para alterar a orbita do pequeno objeto. A data marcada para a colisão, se tudo der certo, é 22 de setembro.

 

Carregar Mais Publicações

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ERROR: si-captcha.php plugin: GD image support not detected in PHP!

Contact your web host and ask them to enable GD image support for PHP.

ERROR: si-captcha.php plugin: imagepng function not detected in PHP!

Contact your web host and ask them to enable imagepng for PHP.

Veja também

Pesquisadores da USP encontram coronavírus na gengiva de vítimas da covid

Autópsias em pacientes que morreram de covid-19 no Hospital das Clínicas mostraram a prese…