Para evitar furo do teto, IFI recomenda corte de R$ 31,9 bi no Orçamento

Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado calcula que o teto de gastos permitiria despesa discricionária de, no máximo, R$ 107,2 bilhões em 2021

Elevação das despesas discricionárias para o patamar de R$ 139,1 bilhões levaria as despesas a superarem o teto de gastos (Moment/Getty Images)

A Instituição Fiscal Independente (IFI) do Senado calcula a necessidade de um corte de R$ 31,9 bilhões no Orçamento deste ano para evitar o rompimento do teto de gastos. No primeiro relatório depois das críticas feitas ao trabalho do comando da IFI, a instituição faz uma análise detalhada do Orçamento aprovado na semana passada e diz que a elevação das despesas discricionárias para o patamar de R$ 139,1 bilhões levaria as despesas a superarem o teto de gastos em R$ 31,9 bilhões.

Pelos números da IFI, o teto de gastos permitiria despesa discricionária de, no máximo, R$ 107,2 bilhões em 2021. “Preocupa que o contingenciamento, sozinho, pode não resolver o problema”, disse ao Estadão, o diretor da IFI, Felipe Salto. “Se for preciso suplementar despesas obrigatórias no Orçamento, será necessário lei para autorizar eventual cancelamento de emendas. Não é automático”, acrescenta.

Salto alerta que o corte ainda manteria a despesa discricionária em um nível superior ao mínimo necessário para o funcionamento da máquina publica. Segundo ele, se o governo precisar cancelar emendas para suplementar a despesa obrigatória, só poderá fazê-lo com aprovação de projeto de lei.

O Congresso cortou despesas obrigatórias para acomodar mais emendas de parlamentares. Dessa forma, aumentou as discricionárias para R$ 139,1 bilhões. “Sem contingenciamento e com os créditos extraordinários esperados para o ano, incluindo o auxílio, o déficit primário poderia chegar a R$ 282 bilhões. Mas o teto obrigará o corte, sob pena de não se cumprir a Constituição”, disse o diretor executivo da IFI.

As regras atuais permitem contingenciar as emendas parlamentares individuais e de bancada marcadas no Orçamento como impositivas, mas apenas até a proporção do contingenciamento sobre o conjunto das demais despesas discricionárias. Já as emendas de comissão permanente e de relator-geral (RP podem ser contingenciadas normalmente.

A composição do corte será, prevê a IFI, um ponto adicional a ser acompanhado ao longo do ano.

A IFI ressalta no relatório que o contexto fiscal de 2021 é marcado pela incerteza associada à evolução da Covid-19. A necessidade de realização de um novo auxílio emergencial, previsto, implicará em gastos novos, afetando o resultado primário e a dívida pública, mas não as regras fiscais.

Para a IFI, em razão desse afastamento temporário das regras fiscais, efeitos adicionais serão sentidos nos indicadores fiscais, mas não impactarão o cumprimento dessas três regras fiscais.

A IFI diz ainda que diferenças nas projeções de receitas são expressivas e que há elevada incerteza a respeito do quadro econômico, em 2021, o que poderá alterar as projeções de arrecadação.

Carregar Mais Publicações

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ERROR: si-captcha.php plugin: GD image support not detected in PHP!

Contact your web host and ask them to enable GD image support for PHP.

ERROR: si-captcha.php plugin: imagepng function not detected in PHP!

Contact your web host and ask them to enable imagepng for PHP.

Veja também

Armamentista será relator de projeto que impede flexibilização de armas

Marcos do Val vai sugerir que propostas sejam retiradas de pauta; se isso acontecer, decre…