Governo federal e paulista protagonizam novo confronto em meio a vacinas

Desenvolvimento e produção de vacinas contra covid-19 no Brasil entra na segunda geração com o avanço de iniciativas nacionais

(crédito: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

O desenvolvimento e produção de vacinas contra covid-19 no Brasil entra na segunda geração com o avanço de iniciativas nacionais. Os futuros imunizantes nacionais aguardam o aval da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para iniciarem os testes em humanos, mas já antecipam uma nova disputa entre o governo federal e o de São Paulo. Isso porque, de um lado, está protocolada a documentação da Versamune-CoV-2FC, desenvolvida pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP, em parceria com a empresa Farmacore Biotecnologia e a PDS Biotechnology. E, do outro, a ButanVac, a ser fabricada pelo Instituto Butantan.

Ambos os imunizantes estão nos estágios iniciais e não têm data para começarem a ser aplicados na população, caso se somem ao Plano Nacional de Imunização (PNI). Mas naquilo que a ciência é limitada, a política é pródiga — em promessas. Ao apresentar a ButanVac, o governador João Doria, assegurou que o país já teria acesso a 40 milhões de doses do fármaco no segundo semestre deste ano. Mais prudente foi o ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, que não deu prazos, apesar de ter anunciado a Versamunne-CoV-2FC poucas horas depois do anúncio do governo paulista.

“A maioria dessas vacinas brasileiras terminou, no máximo, a fase pré-clínica, em animais. Agora, começam as fases clínicas 1, 2 e 3, teste de segurança e eficácia. Costumamos dizer que, quem coloca data de entrega de vacina é político, não é cientista”, criticou a microbiologista Natália Pasternak, diretora-presidente do Instituto Questão de Ciência.

Apesar do Instituto Butantan ter como vantagem uma fábrica de vacinas pronta, por usar a mesma estrutura na produção dos imunizantes contra a gripe, isso não significa liberar o uso para a população. “É importante que existam e que a gente tenha, no Brasil, desenvolvimento das nossas próprias vacinas, para que, no futuro, a gente tenha autonomia de produção. Mas, por enquanto, é muito cedo”, destacou a microbiologista.

Autonomia

O imunologista e pesquisador da Universidade de São Paulo (USP) Gustavo Cabral, que trabalha diretamente com o desenvolvimento de vacinas, destaca que a parceria com laboratórios de fora deve ser vista com bons olhos, desde que garanta a autonomia ao país. “É sempre boa. O que não é legal é dependermos exclusivamente de insumos vindos do exterior, por exemplo”, salientou.

Outra vantagem dessas vacinas de segunda geração é a capacidade de se adequarem às novas variantes, que são parte da evolução natural de qualquer vírus. “Trabalhamos há um tempo essa questão e sabíamos da existência de 700 variantes lá atrás. Hoje, temos cerca de 900. A adequação não seria um problema”, afirmou.

Para isso, o investimento deve continuar quando a covid-19 der trégua, já que outros surtos ou mesmo outras doenças podem demandar a produção acelerada. “Muitas vezes, a gente desenvolve um trabalho e quando estamos próximos de chegar à produção de um conhecimento científico, há cortes de verbas e perdemos estudantes, a estrutura, e vai tudo por água abaixo. Isso nos destrói cientificamente”, observou. (BL com Maria Eduarda Cardim)

Carregar Mais Publicações

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ERROR: si-captcha.php plugin: GD image support not detected in PHP!

Contact your web host and ask them to enable GD image support for PHP.

ERROR: si-captcha.php plugin: imagepng function not detected in PHP!

Contact your web host and ask them to enable imagepng for PHP.

Veja também

Com vacinação mais lenta, abril projeta mais de 80 mil mortes por covid

Variantes mais agressivas e aumento das mortes entre os mais jovens mostram que distanciam…