“Acordos políticos têm de caber no Orçamento”, diz Guedes

Para o ministro, o foco do governo deve ser combater os efeitos da pandemia na vida das pessoas e vacinar em massa, mas com responsabilidade fiscal

Ministro da Economia, Paulo Guedes (Marcos Corrêa/PR/Divulgação)

O ministro da Economia, Paulo Guedes, fez um alerta, nesta terça-feira, 30, sobre acordos políticos que podem engessar o Orçamento de 2021. O governo se preocupa com o projeto de Orçamento aprovado na semana passada pelo Congresso, que traz cortes em despesas obrigatórias sem justificativa plausível e excesso de emendas parlamentares. O chefe da equipe econômica pede que parlamentares tenham responsabilidade fiscal na hora de alocar recursos.

Nosso apelo final é justamente que os acordos políticos têm de caber nos orçamentos públicos”, afirmou Guedes, em entrevista coletiva para comentar os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), que registrou 401.000 novas vagas de trabalho formal em fevereiro. Segundo ele, a “essência” da política é fazer alocação dos recursos, o que deve levar em consideração a capacidade de pagamento e a previsibilidade das despesas.

Para o ministro, o foco do governo deve ser combater os efeitos da pandemia na vida das pessoas e vacinar em massa, mas com responsabilidade fiscal. “É importante essa integração frequente do Congresso com a Economia para fazermos a coisa certa do ponto de vista político, que é o combate a essa ‘cauda’ de pandemia, e também dentro do compromisso com a responsabilidade fiscal, para não desorganizar a economia”, defendeu Guedes.

De acordo com o ministro, há espaço para atuar diretamente com a covid e atenuar impactos sociais trazidos pela pandemia. As despesas decorrentes da emergência de saúde pública não precisam ficar dentro do teto de gastos, que limita o aumento das despesas à inflação do ano anterior. “Podemos sempre recorrer, desde que limitado, definido quanto. Isso nós podemos fazer. Não são gastos recorrentes”, pontuou.

Guedes deixou claro que é preciso trabalhar sempre com as limitações definidas, para não correr o risco de problemas futuros. “Sempre dentro das regras do jogo”, afirmou. “Esse é meu pedido agora a todos nós para que esses entendimentos políticos caibam nos orçamentos públicos. Para que a gente cumpra esse duplo compromisso com a saúde dos brasileiros e com a responsabilidade orçamentária”, reforçou.

Em relação aos programas econômicos, como auxílio emergencial, benefício emergencial a empresas para manutenção de empregos e Pronampe, Guedes afirmou que as ações precisam ser consistentes, com sustentabilidade fiscal. “Não podem ser programas que são criados e esfarinham logo à frente por falta de recursos ou, ao contrário, promovem uma inflação galopante, que acaba piorando o problema da distribuição de renda no Brasil”, disse.

Carregar Mais Publicações

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ERROR: si-captcha.php plugin: GD image support not detected in PHP!

Contact your web host and ask them to enable GD image support for PHP.

ERROR: si-captcha.php plugin: imagepng function not detected in PHP!

Contact your web host and ask them to enable imagepng for PHP.

Veja também

Com vacinação mais lenta, abril projeta mais de 80 mil mortes por covid

Variantes mais agressivas e aumento das mortes entre os mais jovens mostram que distanciam…