• segunda-feira , 10 dezembro 2018

Três homens suspeitos de vender drogas em redes sociais são presos no DF

Homem preso durante a “Operação Teia”, no Distrito Federal, suspeito de vender drogas pelas redes sociais — Foto: TV Globo/Reprodução

Três homens suspeitos de vender drogas pela internet foram presos na manhã desta quinta-feira (11) no Distrito Federal.

Eles são alvos da terceira fase da “Operação Theya” da Polícia Civil, que investiga um esquema de comércio de drogas pelas redes sociais desde o início do ano.

Outros sete traficantes são alvos de mandados de busca e apreensão. Cerca de 60 policiais foram deslocados para cumprir a operação.

Segundo o delegado João de Ataliba Neto, que coordena as investigações na 1ª DP, os traficantes são jovens e estudantes de classe média que compram drogas para uso pessoal e revendem uma parte para “sustentar o próprio vício”.

“São pequenos traficantes que atuam através de aplicativos, principalmente Whatsapp. Eles adquirem pouca droga, consomem e vendem uma parte para sustentar o próprio vicío. A maioria é droga sintética.”

Drogas sintéticas apreendidas durante a terceira fase da “Operação Theya”, pela Polícia Civil do Distrito Federal — Foto: TV Globo/Reprodução

Com os suspeitos detidos, foram encontrados R$ 4.800 em espécie, além de porções de maconha, haxixe e skank. Também foram apreendidos papéis de LSD e um tubo da droga na forma líquida, vendido por cerca de R$ 1.500.

Atuação em teia

A operação recebeu o nome “Theya” pela forma como a organização foi descoberta. “Na prisão de um traficante na primeira fase a gente viu que ele se relacionava com outros seis”, explicou Ataliba.

Porções de maconha apreendidas durante a “Operação Theya”, da Polícia Civil do DF, que combate o tráfico de drogas pela internet — Foto: TV Globo/Reprodução

“A partir da investigação deles, identificamos mais 31 e, destes, um que está preso desde a segunda fase nos ajudou a identificar mais dez.”

“Vamos puxando essa teia até onde a gente localizar traficantes atuando desta forma.”

Fonte: G1 DF.

Veja Também