• quinta-feira , 26 Abril 2018

Reservatório de Santa Maria supera os 50% e já bate a meta de abril

Chuvas e captação de água do Lago Paranoá contribuíram para a elevação do volume no reservatório, que abastece a região central do DF

Até a quarta-feira 4, choveu a metade do previsto para todo o mês. (foto: Marcelo Ferreira/CB/D.A Press)

Os fortes temporais na área central de Brasília fizeram com que o reservatório de Santa Maria batesse, no quinto dia de abril, a meta estipulada para ser alcançada apenas no fim do mês. Em medição na manhã desta quinta-feira (5/4), o corpo d’água responsável pelo abastecimento da área central do Distrito Federal chegou a 50,1%.

A última vez que o sistema Santa Maria abrigou tanta água foi em 22 de junho de 2017, há quase um ano. A expectativa da curva de acompanhamento da Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal (Adasa-DF) era que 50% fosse o maior índice alcançado pelo reservatório em 2018.

Nos quatro primeiros dias deste mês, choveu o equivalente à metade do previsto, que é 133 milímetros. Segundo o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), até quarta-feira (4/4), o índice marcava 67,4 milímetros.

Além da chuva, as obras de captação do Lago Norte e do Bananal, inauguradas em outubro de 2017, ajudam a diminuir a dependência, e consequentemente o uso, do sistema de Santa Maria.

“Com o ínicio das novas captações no ano passado, cerca de 1,4 mil litros de água por segundo entraram no sistema, o que auxiliou a Caesb a poupar os maiores reservatórios do DF. Antes da crise hídrica, retiravamos, em média, 1,2 mil l/s do Santa Maria, e agora fica em torno de 40 litros de água por segundo. Isso auxiliou para que os reservatórios pudessem se recuperar”, afirmou Mauricio Luduvice, presidente da Caesb.

Fim do racionamento 

Principal reservatório do Distrito Federal, o Descoberto também opera acima das melhores expectativas do governo. Em medição na manhã desta quinta-feira (5/4) chegou aos 76,8%. Durante o 8º Fórum Mundial da Água o governador do DF, Rodrigo Rollemberg, afirmou que ao fim do período chuvoso, em meados de maio, poderia ter condições técnicas de divulgar uma data para o fim do racionamento.

”Podemos dizer, de forma absolutamente técnica, que quando chegar ao fim do período chuvoso, em meados de maio, e tivermos a estabilização do volume das águas do Descoberto e de Santa Maria, além de uma previsão mais próxima da entrega da estação de tratamento de Corumbá IV, vamos poder vislumbrar com segurança uma data para a saída do racionamento”, afirmou o chefe do Buriti em sessão sobre as crises hídricas brasileiras.

Confira as metas estipuladas para os principais reservatórios do DF em 2018:

Descoberto

Abril: 70%

Maio: 69%
Junho: 64%
Julho: 55%
Agosto: 46%
Setembro: 35%
Outubro: 24%
Novembro: 30%
Dezembro: 37%
 
Santa Maria
Abril: 50%
Maio: 50%
Junho: 49%
Julho: 45%
Agosto: 40%
Setembro: 35%
Outubro: 31%
Novembro: 29%
Dezembro: 29%

Veja Também