• segunda-feira , 12 novembro 2018

Redução de frota de ônibus castiga trabalhador do DF

Foto: Breno Esaki/Jornal de Brasília

Todo mês de julho é a mesma coisa. O início das férias escolares ditam a redução da frota e frequência de ônibus em circulação pelo Distrito Federal. O DFTrans estima que, neste período, o número de passageiros caia cerca de 22% com a ausência dos alunos. O problema fica para quem não tem qualquer alteração da rotina. Na primeira segunda-feira de mudança, trabalhadores enfrentam longa espera e coletivos lotados.

Do Setor P Sul, em Ceilândia, a recepcionista Aline Queiroz, 22 anos, tem três opções de linha para chegar ao trabalho, no Sudoeste: 0.377, o 0.378 e o semiexpresso 0.555, que vão para W3 Sul e Norte. Na manhã desta segunda-feira (9), ela ainda estava na parada de ônibus quando já deveria ter batido o ponto. “Mais de uma hora de espera e nenhuma linha passa. Toda vez que tem férias escolares é isso: tiram os ônibus de todo mundo. É um descaso”, reclama.

Já atrasada para o trabalho, ela optou por fazer baldeação. Pegou um circular para Taguatinga, um ônibus até a altura da Octogonal até, enfim, conseguir desembarcar no ponto certo. Resultado: chegou ao serviço quase duas horas depois. “No horário que pego o ônibus os alunos já deveriam estar na sala de aula. Não faz diferença se é férias ou não. Só atrapalha a nossa vida”, lamenta.

Foto: Breno Esaki Cedoc/Jornal de Brasília

Ao todo, 447 linhas sofrerão alterações até o dia 29 de julho. Segundo o DFtrans, um estudo avaliou as demandas de cada linha e “as que são mais demandadas podem até continuar sem redução da frota”. Hoje, 2,7 mil veículos são distribuídos em 860 linhas para atender 900 mil passageiros diariamente. Segundo a autarquia, técnicos vão monitorar a operação para que, se necessárias, sejam feitas novas modificações.

A reclamação é geral. Passageiros que dependem de ônibus criticam as mudanças anuais. “Parece que o governo não aprende”, diz o vigilante Manoel Ferreira, 40 anos. Para ele, a única alternativa possível é pegar um número maior de conduções, sempre cheias, e contar com a compreensão do patrão. O homem, morador de Samambaia, cansou de aguardar o ônibus para a Asa Norte após uma hora de espera e foi para Taguatinga, onde, enfim, conseguiu seguir viagem.

Saiba mais

Os usuários podem consultar todas as linhas que passaram por algum tipo de adequação no site do DFTrans. Reclamações podem ser feitas pelo telefone 162 ou pelo site da Ouvidoria-Geral do DF.

Veja Também