• terça-feira , 20 novembro 2018

PR dá autonomia, mas Frejat vai pensar até segunda se volta à disputa

Após reunião com o presidente nacional do partido, Valdemar Costa Neto, o ex-secretário de Saúde estabeleceu novo prazo para decidir

Após se reunir com o presidente nacional do PR, Valdemar Costa Neto, na manhã desta quinta-feira (19/7), o ex-secretário de Saúde Jofran Frejat disse ainda não saber se vai voltar à disputa ao Palácio do Buriti. “Ele (Valdemar) garantiu total autonomia, mas vou pensar até segunda-feira (23)”, ressaltou o médico ao sair do encontro.

Além de Valdemar e Frejat, o deputado federal Laerte Bessa (PR) estava na reunião. “Tiramos leite de pedra. O Frejat estava muito decidido. Mas acredito que, com a garantia de autonomia dada pelo Valdemar, ele vai ter condições de fazer o governo que pretende. E, se Deus quiser, volta à disputa eleitoral”, disse o parlamentar.

O encontro foi rápido e ocorreu no Setor Hoteleiro Sul. “Vou conversar com os integrantes da coligação. Dependendo dos entendimentos, vamos ver qual é o caminho a seguir”, disse o ex-secretário sobre os próximos passos após ter conquistado carta branca da direção nacional do PR. Estará na pauta, de acordo com ele, os nomes para a composição da chapa, como dos pré-candidatos a vice-governador, senador e deputado federal.

Sobre ter exorcizado os “demônios” ao obter o aval do partido para comandar o grupo que encabeça, Frejat disse que utilizou a expressão sem ter um alvo. “Não era nada específico. Tenho muito respeito por todos”, afirmou. E completou: “Ao dizer que eu não venderia a alma ao diabo eu quis dizer que não vou fazer concessões para que aconteça isso ou aquilo”.

Frejat anunciou na terça (17) que iria deixar a disputa. Na manhã de quarta (18), durante encontro com apoiadores, em frente a sua casa, no Lago Sul, sinalizou que poderia voltar atrás. “Estou refletindo ainda, vamos ver”, disse o médico. “Lamento muito por essas pessoas que não demonstram qualquer compromisso com a cidade”, completou.

Ao revelar que avaliava a possibilidade de recuar na decisão, o médico disse ter imposto condições para se manter pré-candidato, especialmente ter independência e controle da campanha e eventual administração. Isso foi dito durante ato político em seu favor, com ares de comício, realizado à porta de sua casa, na noite dessa quarta-feira (18): “Se não for nas condições que quero, não faço, não volto atrás”.

Conforme interlocutores do grupo político do ex-secretário, o recado foi dado e aliados começaram a ceder. Presidente do MDB-DF, o ex-vice-governador Tadeu Filippelli, por exemplo, abriu mão de indicar o vice da chapa. “Filippelli disse a Frejat que o MDB está passando autonomia e liberdade para ele escolher o vice”, afirmou um articulador próximo ao médico, sob condição de anonimato.

Até o ex-governador José Roberto Arruda (PR), apontado como pivô da desistência de Frejat, ligou para o correligionário nos últimos dias para tentar convencê-lo a não abandonar a campanha. Arruda ganhou a pecha de “diabo” depois de o ex-pré-candidato dizer que precisava exorcizar quem o estava pressionando.

Outras decisões
As reviravoltas em torno de Frejat colocaram outras chapas em compasso de espera. É o caso da coalização formada por seis partidos políticos do DF, a Terceira Via, que ofereceu a cabeça de chapa do grupo, antes entregue ao deputado federal Izalci Lucas (PSDB), ao ex-pré-candidato do PR. Depois de dois dias de reuniões, a aliança estabeleceu que vai aguardar até as 14h desta quinta (19) pela resposta de Frejat. Passado esse horário, anunciará a decisão.

Frejat, porém, disse que vai comunicar à Terceira Via que sua decisão não sai antes de segunda (23). O grupo tem dois caminhos a seguir: ou mantém Izalci como pré-candidato ao Buriti ou passa a vez para o também deputado federal Rogério Rosso (PSD) – uma hipótese até o momento rejeitada pelo tucano. Nem mesmo a presença do presidente nacional do PSDB, o presidenciável Geraldo Alckmin, no encontro promovido pela aliança nessa quarta (18), foi suficiente para pôr fim ao impasse entre os dois parlamentares e resultar em um consenso (foto abaixo).

 

VICE-GOVERNADORIA DO DF/DIVULGAÇÃO

Presidente nacional do PSDB, o presidenciável Geraldo Alckmin foi convocado para apagar o incêndio no grupo: Rosso e Izalci não se entendem sobre qual dos dois deve ser o cabeça de chapa

Fonte: Gabriela Furquin/Metrópoles

Veja Também