Estudo em humanos mostrou que reforço com terceira aplicação aumenta o número de anticorpos entre 5 e 10 vezes. Empresa conversa também com autoridades de outros países

Pfizer (Dado Ruvic/Reuters)

A farmacêutica Pfizer irá requisitar uma autorização de emergência nos EUA para ministrar uma terceira dose de sua vacina contra a covid-19. O pedido deve ser apresentado pela empresa em agosto, baseado em estudos que apontam que a aplicação ampliaria a proteção imunológica contra o coronavírus. As informações são do portal Bloomberg.

A empresa recebeu dados preliminares de um teste realizado com humanos que apontam que uma terceira dose de sua vacina poderia aumentar de 5 a 10 vezes a presença de anticorpos no organismo, se comparado ao plano original de vacinação, que previa duas doses.

Assim que receber mais informações sobre os estudos e análise, a empresa afirma que irá pedir à FDA (órgão regulador semelhante à Anvisa nos EUA) a autorização para aplicar uma nova injeção de 6 a 8 meses após as duas primeiras doses. Conversas com reguladores em outros países e na União Europeia estão em andamento.

À Bloomberg, o chefe de pesquisas da Pfizer, Mikael Dolsten, afirmou que a empresa está vindo a público com os planos porque dados atuais sugerem que é preciso cautela com mutações do coronavírus, incluindo as mais transmissíveis, como a variante Delta. “Estamos confiantes que esse reforço será altamenta efetivo contra a variante Delta”, disse.

Por enquanto os dados preliminares apresentam informações relativas a um número pequeno de pacientes, mas, segundo os cientistas, as informações são robustas e devem corroborar os achados iniciais.

Esta é uma reportagem em desenvolvimento e trará mais informações.

Escreva um comentário