• quarta-feira , 21 novembro 2018

Orquestra Sinfônica Claudio Santoro homenageia Tchaikovsky

Ciclo de concertos lembra 125 anos de morte do compositor russo; entrada é gratuita.

Orquestra Sinfônica Cláudio Santoro durante apresentação, em Brasília (Foto: Pedro Ventura/Agência Brasília)

A Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro começa nesta terça-feira (20) uma série de concertos em homenagem ao compositor Pyot Ilitch Tchaikovsky. O ciclo Tchaikovsy marca os 125 anos da morte do músico russo.

No repertório, Serenata para Cordas Op.48; Romeu e Julieta – Abertura Fantasia; e Sinfonia no. 1 Op.13 “Sonhos de Inverno”. A apresentação desta terça está marcada para as 20h, no Cine Brasília, com entrada gratuita.

Tchaikovsky

Pyot Ilitch Tchaikovskysky (1840-1893) nasceu em Votkinsk, na Rússia, no dia 7 de maio de 1840. O pai era um engenheiro russo e a mãe uma mulher de origem francesa. De acordo com a bibliografia, aos cinco anos ele começou a tocar piano, quando completou sete já compunha as primeiras obras.

Tchikovsky chegou a estudar Direito, aos 19 anos trabalhava no Ministério da Justiça Russo quando teria pedido demissão para ingressar no Conservatório de São Petersburgo.

Entre as principais obras, compôs a sinfonia “Sonho de Inverno”, a abertura sinfônica “A Tempestade” e danças para a ópera “Voievoda”. Concluiu os estudos no conservatório, com a cantata para solo, coro e orquestra “Ode ao Júbilo”. Em 1869 iniciou a composição de “Romeu e Julieta”.

Mas foi com “Quarteto em Ré Maior” que conquistou o público,’ em 1871. Dedica-se ao trabalho de criação. Em 1873, escreve a música de cena para a peça Strovsky e sua terceira ópera, “Oprischnik”. O êxito dessa obra vem junto com o sucesso da “Segunda Sinfonia”. Em 1874 executa o “Concerto nº 1”, que o popularizou definitivamente.

Em 1875, Tchaikovsky apresentou sua “Terceira Sinfonia”, a “Polonesca” e a pedido do Teatro de Moscou compõe “O Lago dos Cisnes”. “A Quarta Sinfonia”, as óperas “Eugene Onegin” e “Joana D’Arc” também chamada “Donzela D’Orléans” foram compostas pouco depois, entre 1877 e 1879.

Em 1890 foi a vez de a “Dama de Espada”, e em 1891 compôs sua última ópera “A Filha do Rei René”, o balé “A Bela Adormecida” e “Quebra-nozes” e a “Quinta Sinfonia”. Em 1893 fez sua última sinfonia, “Patética”. Tchaikovsky morreu de cólera naquele mesmo ano.

Ciclo Tchaikovsky – 125 anos de morte
Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro
Temporada 2018
Terça-feira (20), às 20h
Cine Brasília (106/107 Sul)
Entrada gratuita, por ordem de chegada

Veja mais notícias sobre a região no G1 DF.

 

Veja Também