A operação policial prendeu os autores de crimes contra a vida após investigações. Ao menos 10 estavam foragidos, alguns há mais de 15 anos.

Faca apreendida com acusado de tentativa de homicídio, nessa terça-feira (22/6) – (crédito: PCDF/Divulgação)

Trinta e duas pessoas acusadas de cometer crimes de homicídio e feminicídio acabaram presas em uma grande operação da polícia. Do total de detidos, 10 eram considerados foragidos da Justiça, como o caso de um homem que fugiu do DF em 2008, após matar uma vítima com golpes de faca em Brasília. O acusado foi preso em Manaus (AM), 15 anos após o crime. Além dele, outro homem foi preso por dois homicídios e uma tentativa de homicídio cometidos em 2002, em Ceilândia. Os crimes prescreveriam em março do ano que vem.

Alguns criminosos presos na ação policial já tinham cometido outros delitos. Com os mandatos de prisões cumpridos, eles serão responsabilizados também pelos delitos cometidos ao longo do tempo em que estiveram foragidos.

As prisões ocorreram ao longo do mês de outubro e foram efetuadas por agentes da Coordenação de Repressão a Homicídios e de Proteção à Pessoa (CHPP). Chamada de Operação Animus Necandi, as ações contaram com o apoio da Polícia Civil do Estado do Amazonas para capturar o homem que estava foragido no estado há anos.

Com a operação, a responsabilização criminal das pessoas que cometeram homicídio será realizada, evitando a prescrição dos crimes e a impunidade. “Isso derruba a falsa sensação de que autores responsáveis por mortes de outras pessoas ficariam sem ser alcançados pela polícia ou pelo Poder Judiciário, gerando a errônea ideia de que estariam livres para voltarem a matar”, ressalta o delegado Laércio Rosseto, coordenador da CHPP.

 

Escreva um comentário