• quinta-feira , 14 dezembro 2017

Metrô-DF não funciona nesta segunda por falta de funcionários, em greve

Adesão à greve, que começou no dia 9 de novembro, ‘está muito grande’, disse empresa. Funcionários descumprem decisão judicial de manter 90% da frota em horários de pico.

Metrô-DF informa que estações estão fechadas por falta de funcionários (Foto: Geraldo Becker/TV Globo)

O Metrô do Distrito Federal informou que nenhuma das estações vai funcionar nesta segunda-feira (20) por falta de pessoal. De acordo com a empresa, a adesão à greve – que começou no dia 9 de novembro – “está muito grande” e, por isso, não há o número de mínimo de funcionários (75%) para manter o serviço.

Segundo o Metrô, até a semana passada havia um número reduzido de trens circulando, porque funcionários de áreas administrativas foram remanejados às estações para dar suporte à operação do sistema. Todo dia, cerca de 170 mil usuários utilizam o metrô na capital.

“Agora, esses empregados ficaram sobrecarregados e as áreas de que são responsáveis estão paradas, como fiscalização de contratos, manutenção, lançamento de folha de ponto, tudo isso parado”, disse a empresa.

“A maioria dos motoristas aderiu à greve.”

Passageiros aguardam embarque em estação do Metrô no DF (Foto: Rafael Nunes/Arquivo Pessoal)

Na Justiça

Uma decisão judicial estabelece que 90% da frota circule nos horários de pico – das 6h às 10h, e das 16h30 às 20h30 – e 60% em horários de menos movimento sob pena de multa diária de R$ 100 mil. Mesmo assim, desde o primeiro dia de greve, os funcionários do Metrô descumprem a determinação.

Somente no dia do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), 12 de novembro, o serviço funcionou com 100% da capacidade, conforme decisão da Justiça, das 7h às 20h. “Todo dia tem oficial de justiça nas estações de metrô, no centro administrativo e estão constatando que não há funcionários”, disse a empresa.

Passageiros embarcam em trem de metrô no Distrito Federal (Foto: Pedro Ventura/Agência Brasília)

O Sindicato dos Metroviários informou que “alguns empregados estão indo trabalhar todo dia”. “A questão é que a empresa estabeleceu que, se não tiver o quantitativo desejado, não vai abrir.”

“A gente entende que a greve é um transtorno pra população, pede desculpa, mas infelizmente é uma situação que está se arrastando há três anos.”

Com a paralisação do metrô, paradas de ônibus no Distrito Federal ficaram lotadas por volta das 6h30.

Para de ônibus em Taguatinga, no Distrito Federal, cheia de passageiros com paralisação do Metrô-DF (Foto: Geraldo Becker/TV Globo)

Os funcionários pedem reajuste salarial de 8,4%, com base na variação do índice INPC, e a contratação de 631 pessoas aprovadas no último concurso – 331 de forma imediata e 300 de cadastro de serva.

Segundo o sindicato da categoria, há déficit de cerca de 800 funcionários. O quadro atualmente tem 1,2 mil servidores. O salário inicial de um agente de segurança da empresa é de R$ 2,9 mil, o mais baixo da empresa. O maior salário inicial é o de engenheiro – R$ 6 mil.

“Quem descumpriu primeiro a liminar foi a empresa, porque deveria estar realizando a contratação dos empregados e realizando o INPC conforme a sentença judicial que foi estabelecida no TRT [Tribunal Regional do Trabalho]”, disse o sindicato.

Veja Também