• quinta-feira , 26 Abril 2018

GDF estima que 14 mil terrenos estejam legalizados até o fim do ano

Muitos moradores reconhecem a segurança jurídica da situação, mas estão preocupados com os valores dos imóveis

(foto: Bárbara Cabral/Esp. CB/D.A Press)

A regularização fundiária beneficiará mais 9.070 famílias no Distrito Federal até o fim do ano por meio da venda direta. Depois da legalização de cerca de 5 mil lotes em 2017, os próximos a receberem as escrituras dos imóveis serão os moradores do condomínio Solar de Brasília, de parte da etapa 2 do Jardim Botânico, além dos setores habitacionais Bernardo Sayão e Arniqueiras (leia quadro). Entre 2017 e dezembro de 2018, a expectativa da Agência de Desenvolvimento do DF (Terracap) é legalizar aproximadamente 14 mil terrenos em área pública. No ano passado, o valor total da venda direta dos imóveis em condomínios irregulares chegou a R$ 211,1 milhões.

Depois de lançar o edital de venda de mais 29 imóveis no Ville de Montagne na sexta-feira, a promessa da Terracap é divulgar o processo do Solar de Brasília até o fim deste mês. Nesse mesmo período, serão contemplados os outros 200 empreendimentos que restaram da etapa 2 do Jardim Botânico, que alcançam os condomínios Estância Jardim Botânico 1 e 2, Jardim Botânico 6, Parque e Jardim das Paineiras e Mirante das Paineiras.

Para moradores que estão a um passo da regularização, receber a escritura representa segurança jurídica. Síndico do Solar de Brasília, Pedro Humberto Lobato, 65 anos, destaca que a legalização beneficiará cerca de 6 mil pessoas. Nas próximas semanas, haverá uma reunião com a Terracap para discutir o valor dos imóveis. “Inicialmente, essa era uma grande preocupação, porque muitos pagaram pelo lote uma vez e, todo mês, arcam com a taxa de manutenção para que as benfeitorias sejam realizadas. Temos uma infraestrutura de muita qualidade de vida e esperamos que isso seja abatido”, explica Pedro.

Morador do Solar de Brasília, o militar aposentado José Antunes Cardoso Amaral, 69, comprou o lote em 2000, mas chegou ao local em 2011. Ele lembra que, em 2005, houve a conclusão de que o terreno pertencia à Terracap. “À época, venderam um sonho que não era realidade. Agora, a legalização representa um alívio de uma luta que vem de muitos anos. Esse é um anseio antigo e, além da segurança jurídica, a regularização representa uma questão de cidadania”, ressalta.

Ilton José Vieira, 70, mudou-se para o Solar de Brasília há 11 anos. Para ele, além da segurança jurídica, a regularização garante investimento no imóvel. O preço final não o preocupa. “Temos vários investimentos em infraestrutura que serão deduzidos no valor da venda. Além do mais, com a regularização, haverá mais flexibilidade e tranquilidade para venda, por exemplo, e segurança de todas as partes”, destaca.

Segundo o presidente da Terracap, Julio César Reis, 34% dos imóveis no DF estão irregulares. “A regularização é uma necessidade de Brasília, e ela ocorre em nível ambiental, urbanístico e fundiário. Promovemos licenciamento ambiental, fazemos a implantação de obras de infraestrutura, como em Vicente Pires, onde temos R$ 506 milhões sendo aplicados em drenagem e pavimentação, além de proporcionarmos segurança jurídica ao morador, dando a ele a propriedade do imóvel por meio da escritura”, ressalta.

Licenciamento

A legalização do Estância Quintas da Alvorada não estava prevista no Plano Diretor de Ordenamento Territorial (Pdot). Mas um acordo de homologação firmado no Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) estabeleceu diretrizes e obrigações para moradores e órgãos do governo. A Terracap iniciou o desenvolvimento de projeto urbanístico e de licenciamento ambiental, mas, em vez de venda direta, os imóveis serão licitados. Terão preferência os moradores apontados como donos das residências até a data da decisão judicial.

Quem vive no local terá de pagar pelo imóvel, não poderá vendê-lo ou doá-lo sem autorização da Terracap e precisará comunicar à empresa a construção de outros empreendimentos. A homologação judicial foi um acordo feito entre moradores e a Terracap, além do Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT), da Agência de Fiscalização do DF (Agefis), da Secretaria de Gestão do Território e Habitação (Segeth) e do Instituto Brasília Ambiental (Ibram).

Subsíndica do Estância Quintas da Alvorada, Cristina Mattos, 52, detalha que há 1.963 lotes na região de 3 mil habitantes. A expectativa dela é de que, até o fim do ano, os moradores comecem a receber as escrituras. Moradora do setor habitacional há cinco anos, ela conta que a preocupação de todos é em relação ao valor. “Estamos prontos para negociar, mas que sejam levados em conta os investimentos. A regularização representa segurança jurídica e a possibilidade de investirmos em algo que é seguro e de nossa propriedade”, ressalta.

Moradora do condomínio desde 2011, Fernanda Ibaldo, 33, planeja o pagamento do lote desde que se mudou para a região. No entanto, segundo a servidora pública, a legalização sempre ficou distante dos sonhos de quem vive no local. “Graças a um grupo pequeno de moradores, a luta está se aproximando do fim. É um alívio poder chegar próximo a esse passo, porque viver dessa forma (sem legalização) é uma instabilidade muito grande”, diz.

Veja a situação dos condomínios próximos da regularização:

Solar de Brasília 

Edital de venda direta será lançado até o fim de abril e deve contemplar 1.270 lotes

1ª etapa do Jardim Botânico 

O edital de convocação para a venda direta sai em 30 dias. Serão cerca de 100 lotes remanescentes que ficaram de fora da regularização de 2007. Compreende os condomínios Portal do Lago Sul, Mansões Califórnia e San Diego

2ª etapa do Jardim Botânico 

Na segunda-feira, abre o prazo para que moradores de 200 lotes se cadastrem com interesse na venda direta. São imóveis que não entraram na primeira fase da regularização, como os condomínios Estância Jardim Botânico 1 e 2, Jardim Botânico 6, Parque e Jardim das Paineiras e Mirante das Paineiras.

Trecho 1 de Vicente Pires 

O cadastramento dos moradores interessados na venda direta será lançado em maio. Edital de comercialização sai em junho. São 27 condomínios na área em frente ao Jóquei, que correspondem a 1,5 mil imóveis

Setor Habitacional Bernardo Sayão 

Em junho, começa o cadastro dos moradores. O edital de venda direta sai em julho. Serão cerca de 2 mil lotes na Colônia Agrícola Bernardo Sayão, Colônia Agrícola Águas Claras e API

Setor Habitacional Arniqueiras 

Os prazos são os mesmos dos condomínios Bernardo Sayão. De 7.990 lotes, serão regularizados 4 mil até o fim do ano. Ficam na Colônia Agrícola Arniqueiras, Colônia Agrícola Veredão e Colônia Agrícola Vereda da Cruz

Ville de Montagne 

Cerca de 1 mil

Trecho 3 de Vicente Pires 

Aproximadamente 3 mil na área conhecida como antiga Colônia Agrícola Samambaia

Etapa 2 do Jardim Botânico 

Cerca de 1 mil nos condomínios Estância Jardim Botânico 1 e 2, Jardim Botânico 6, Parque e Jardim das Paineiras e Mirante das Paineiras

 

 

Veja Também