• domingo , 17 junho 2018

Festas juninas têm sido marcadas por variedade musical

A disputa fica entre canções tradicionais do forró e variações do ritmo

Alceu Valença. (foto: Yane Montenegro/Divulgação)

O atual repertório musical das festas juninas em Brasília abarca ritmos novos e antigos. Os mais apegados à música contemporânea dispõem de apresentações ligadas ao sertanejo mainstream e às novas variações do forró. Aqueles em favor de preservar a essência do arraiá ainda têm opções de eventos arraigados no baião, xote e rojão.

As alternativas de são-joão tradicional, entretanto, estão cada vez mais escassas, sugere o especialista Antenor Ferreira, professor do departamento de música da Universidade de Brasília (UnB). “Celebrar festas juninas é tradição familiar. Os pais passam aos filhos. Mas, como os jovens estão perdendo o interesse pelos ritmos típicos, os grupos tradicionais tendem, não a desaparecer, mas a diminuir muito”, acredita o pesquisador.

Ele aponta Brasília como herdeira do são-joão nordestino graças aos candangos — em maioria, oriundos do nordeste — que trouxeram a própria cultura na bagagem. Por outro lado, a cidade assimila muito do que faz sucesso no estado vizinho: “O sertanejo universitário entrou com essa força em Brasília graças à proximidade com Goiás”.

Para o professor, as festas juninas se mantiveram espontâneas até o início dos anos 1990, quando tomou espaço o forró universitário, gênero que ainda preserva características do xote — diferentemente do sertanejo universitário, “que nada tem a ver com a tradição nordestina”, segundo o acadêmico.

Eclético

A vendedora Raquel Santos, 27 anos, frequenta festejos juninos desde pequena em Brasília. Aguarda o ano todo pelo são- joão. Ela acha importante que as festas abracem tantos os ritmos mais populares quanto os mais tradicionais. “É uma forma de atrair as pessoas que não querem deixar de irem às festas sem deixarem de ouvir o que gostam”, declara.

Assim como nas edições anteriores, o 3º Arraiá de Águas Claras busca por equilíbrio entre as atrações. De sexta a domingo, se apresentam os sertanejos Zé Felipe & Miguel, Sérgio Moraes, o forró pé de serra do Trio Balançando e a quadrilha tradicional do Si Bobiá a Gente Pimba.

“As festas juninas foram mudando ao longo dos anos e a gente quis acompanhar essa transformação”, conta a organizadora do evento Ana Paula Leite, integrante do grupo Mães Amigas de Águas Claras. “Pensamos em fazer uma festa para a família, que agradasse dos mais novos aos mais velhos”, explica.

A inserção dos novos gêneros na festa caipira agrada ao grande  público, o que garante a agenda cheia dos músicos durante o período junino. Representante da vertente eletrônica do forró, Xand Avião acredita que o gênero está em boas mãos. “O forró está muito bem representado, temos o Safadão e a Solange, entre tantos outros que estão estourados aí no Brasil. Somente neste são-joão, eu e minha banda vamos fazer 34 shows, será uma correria intensa e muito boa”, comentou o potiguar em entrevista ao Correio.

Típico

Alceu Valença, por outro lado, recorre a repertório típico do Nordeste. Apesar de não se considerar tradicionalista, ele faz questão de preservar alguns costumes. Durante o período de festas juninas, ele canta “somente aqueles gêneros desenvolvidos no agreste e no sertão que ajudaram a consolidar o forró como gênero principal do são-joão, na linha de Gonzaga, Jackson, Dominguinhos e tantos outros. E tome baião, forró, coco, xote, rojão, embolada, martelos e toadas”. O pernambucano critica a inserção dos novos gêneros no tradicional período. “Hoje, há uma relativa descaracterização dessas festas em função de certa perda de identidade”, avalia.

Em linha similar de julgamento, a artista local Carol Carneiro fica com agenda cheia no são-joão e acha necessário vestir o figurino nas festas típicas. “Nesta época, deveriam valorizar melhor essa tradição brasileira, essas músicas que falam de coisas ligadas à terra, à natureza, ao romantismo”, opina a pé de serra que se apresenta munida de viola caipira, zabumba e triângulo.

Ela é cética quanto a uma possível ameaça às músicas típicas. “Existe uma cultura de resistência. Se depender de mim, não acaba. O baião vai se levantar. Ele sempre se levanta e vou trabalhar ara isso”, diz, citando verso de Luiz Gonzaga. No período que compreende junho e julho, Carneiro chega a fazer 15 show ao mês na capital. Mas, para ela, é são-joão o ano todo. A artista aguarda lançamento de DVD gravado na Funarte e se prepara para apresentação no 1º Festival de Brasília da Poesia Brasileira — Transepoéticas, que ocorre sexta no Museu Nacional da República.

Novos ritmos do arraiá!
Aldair Playboy — Amor falso
Aviões e Wesley Safadão — Eu e a torcida do Brasil
Aviões — Inquilina
Cavaleiros do Forró e Márcia Fellipe — Quando eu ligo para você
Dorgival Dantas — Plano B
Mano Walter — Não deixo não
Mastruz com Leite — Na ponta do pé
MC Bruninho — Jogo do amor
Saia Rodada — Quero sentir de novo
Solange Almeida— Sinceramente

O que não pode faltar!

Luiz Gonzaga — Asa branca
Luiz Gonzaga — Baião
Jackson do Pandeiro — O canto da ema
Alceu Valença — Coração bobo
Dominguinhos — Eu só quero um xodó
Gal Costa — Festa do interior
Dominguinhos — Isso aqui tá bom demais
Falamansa — Oh chuva
Luiz Gonzaga — Olha pro céu
Luiz Gonzaga — Pagode russo
Jackson do Pandeiro — Sebastiana
Luiz Gonzaga — Qualquer música, escolha!

       

      Veja Também