• quarta-feira , 20 fevereiro 2019

Empresa que faz biometria do TSE fornecerá tecnologia aos EUA

Companhia brasileira gerenciará base de dados biométricos de 5 milhões de pessoas

(Photographer is my life/Getty Images)

São Paulo — A Griaule, empresa brasileira fundada em Campinas, em 2002, será a gerenciadora de cadastros biométricos para o Estado do Arizona, nos Estados Unidos, pelos próximos cinco anos. Em um acordo de valor estimado de 7,5 mi de dólares, a companhia ficará responsável pela base de dados de mais de 5 milhões de pessoas.

Líder do segmento, a Griaule tem mais de 4 mil clientes no Brasil, gerenciando dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), da Caixa Econômica Federal e de outro bancos — que não podem ter nomes revelados. A empresa atua em 70 países.

Sua tecnologia biométrica abrange impressões digitais (completas ou fragmentos), íris e rostos. A base de dados pode ser utilizada pelo Arizona para garantir a autenticidade de documentação de funcionários de escolas e creches para, por exemplo, certificar-se de que não hajam registros criminais impeditivos para professores. A solução também pode ser usada para identificação de suspeitos em cenas de crime.

Renato Burdin, diretor de negócios da Griaule, conta que a empresa de Campinas foi incubada na Unicamp em 2003 e hoje é independente. Ainda assim, ela se mantém próxima da universidade pelos benefícios claros de pesquisas científicas para a evolução da sua tecnologia. Para ele, quanto maior for a base de dados biométricos, melhor funcionará a sua solução tecnológica.

Renato Burdin: diretor de negócios da Griaule, empresa que gerencia registros biométricos (Griaule/Divulgação)

Veja Também