• domingo , 24 março 2019

Dia da Mulher: cortejo de carnaval marca protesto em Brasília

Grupo se reuniu na Rodoviária do Plano Piloto e vai caminhar até o Congresso Nacional. Três faixas da Esplanada foram interditadas.

No Dia Internacional da Mulher, grupo protesta em Brasília durante cortejo de carnaval — Foto: Daumildo Júnior/G1

Motivadas pelo significado do Dia Internacional da Mulher, um grupo se reuniu no fim da tarde desta sexta-feira (8) na Rodoviária do Plano Piloto, no centro de Brasília. Em um cortejo de carnaval, elas vão caminhar até o Congresso Nacional.

Às 19h, as mulheres iniciaram a marcha. A Polícia Militar interditou três faixas do Eixo Monumental –entre a rodoviária e a Praça dos Três Poderes. O cortejo deve contornar a Alameda das Bandeiras e seguir pela via N1 até o acesso à L2 Norte. O protesto termina na Praça dos Prazeres.

Dia da Mulher: manifestantes protestam em Brasília
G1 DF
Dia da Mulher: manifestantes protestam em Brasília

Dia da Mulher: manifestantes protestam em Brasília

O ato, criado como uma forma de protesto, foi organizado por movimentos sociais como o Fórum de Mulheres do DF e do Entorno, a Marcha Mundial de Mulheres, Articulação de Mulheres Brasileiras, Circa Brasilina e sindicatos de professores e de profissionais de saúde.

Carnaval e direitos

Vestidas de noiva e com adereços que remetem à mexicana Frida Kahlo, mulheres fizeram cortejo de carnaval como protesto neste 8 de março  — Foto: Daumildo Júnior/G1

Vestidas de noiva e com adereços que remetem à mexicana Frida Kahlo, mulheres fizeram cortejo de carnaval como protesto neste 8 de março — Foto: Daumildo Júnior/G1

Varias mulheres presentes no ato usaram fantasias. Amarilde Tolentino participou vestida como Frida Kahlo que, para ela, foi uma representação da coragem.

“A gente quer ter o nosso espaço na sociedade e a Frida representa essa busca pelos ideais”

Em forma de cortejo de carnaval, o protesto em Brasília foi dividido em três blocos e 15 alas. Uma delas, a ala na Noiva Cadáver, protesta contra o feminicídio.

De acordo com Cleudes Pessoa, que faz parte da organização, o objetivo é buscar o fim do feminicídio e do racismo, além de garantir que não haja retrocesso nos direitos conquistados pelas mulheres.

“O dia serve para as mulheres se organizarem pelo nosso bem viver”

Fonte G1

Veja Também