• terça-feira , 20 novembro 2018

Detran e DER “infestam” ruas do DF com mais pardais e barreiras

Serão 90 novos radares e barreiras eletrônicas em 2018. Ao fim das instalações, haverá 1.087 aparelhos para fiscalizar os motoristas no DF

Foto: Rafaela Felicciano/Metrópoles

Além dos buracos provocados pelas chuvas e do trânsito pesado devido a obras no Eixão Sul e na EPGU, os motoristas brasilienses têm convivido com outra novidade nas últimas semanas: a multiplicação do número de pardais que vêm sendo instalados nas mais diversas vias do Distrito Federal.

Serão 90 novos radares e barreiras eletrônicas em 2018. Desses, 88 são do Departamento de Estradas de Rodagem do DF (DER-DF), e somente dois pertencem ao Departamento de Trânsito do Distrito Federal (Detran-DF). A quantidade é equivalente a quase dois aparelhos instalados por semana, durante todo o ano, e mais de sete por mês.

A intensa atividade dos servidores desses órgãos motivou críticas até de quem já fez parte do GDF. No Carnaval, o coronel Rogério Leão, ex-chefe da Casa Militar na gestão Agnelo Queiroz (PT), publicou vídeo nas redes sociais para criticar a instalação dos pardais.

Com o acréscimo desses aparelhos, o DER vai dispor de 628 equipamentos para fiscalizar os condutores na capital. Atualmente, conta com 540. Eles estão sendo substituídos aos poucos, após o vencimento do contrato e a troca da empresa que presta o serviço. Por todo o DF, há novos cortes nas pistas e postes de pardais sendo colocados.

Já o Detran informou possuir, hoje, 459 equipamentos eletrônicos (208 pardais, 135 de avanços de sinal e 116 barreiras eletrônicas). Somados os aparatos, Detran e DER têm 1.087 aparelhos para fiscalizar os motoristas, sendo 836 pardais.

Segundo o DER, a alteração é necessária porque não é possível ligar os novos radares à fiação antiga. A mudança, no entanto, tem confundido alguns condutores, que não sabem exatamente onde os pardais irão medir a velocidade dos carros.

Esses aparelhos, mais modernos, fazem a fiscalização da velocidade, de avanço semafórico, parada sobre a faixa de pedestres, trânsito nas faixas exclusivas e contagem de tráfego. Alguns possibilitam o cálculo indicativo em tempo real do melhor trajeto entre dois pontos.

Fiscalização eletrônica no Eixo Monumental. RAFAELA FELICCIANO/METRÓPOLES

Velocidade média aferida, mas sem multa
Outra novidade no monitoramento são radares que medem a velocidade média dos veículos ao longo das vias, não somente em trechos nos quais os carros passam pelos aparelhos. Ou seja, se em uma pista de 80km/h o condutor andar a 90km/h e frear sempre quando avistar um radar, a fiscalização saberá que ele não respeitou o limite. Isso ocorre porque a tecnologia dos novos equipamentos calcula o tempo que o automóvel levaria de um ponto ao outro se trafegasse na velocidade permitida.

A medida, no entanto, não pode resultar em multas para os apressadinhos. Isso porque, como não há resolução do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) sobre o tema, os motoristas não podem ser penalizados.

Alguns estados que já adotam a tecnologia, como São Paulo, têm notificado os motoristas, com a intenção de educá-los e orientá-los a seguir as normas de trânsito. Consultado sobre o assunto, o DER-DF não respondeu se pretende advertir os motoristas no Distrito Federal.

Detran-DF
Diferentemente do DER, o Detran não fez grandes mudanças na fiscalização. Foram duas instalações, uma no Guará I, de avanço de sinal, e outra próxima ao Setor Noroeste, de fiscalização eletrônica.

No Guará I, o Detran acrescentou um equipamento de avanço de sinal na QE 20, próximo da Escola Classe 5, local onde uma ciclista morreu atropelada por um ônibus em 2017. O departamento de Engenharia do órgão decidiu manter a velocidade de 60km/h. A outra intervenção foi feita no Noroeste, no Setor Terminal Norte, a 250 metros da Epia, sentido W3 Norte. A via teve a velocidade reduzida, de 70km/h para 60km/h.

Em dezembro passado, duas barreiras eletrônicas foram colocadas na Quadra 24 do Gama Oeste, onde duas mulheres e um bebê morreram atropelados por um menor que dirigia o veículo do pai. A via é de 60km/h, e a barreira permite velocidade máxima de 50km/h.

Barreiras eletrônicas também estão sendo instaladas no DF. FELIPE MENEZES/METRÓPOLE

Cofres cheios
O reforço na vigilância das ruas tende a aumentar também a arrecadação. A julgar pelos cofres, os órgãos têm se mostrado eficientes máquinas de receita. Com multas de trânsito em 2017, o DER embolsou R$ 102,6 milhões. O Detran, por sua vez, atingiu inéditos R$ 474 milhões na conta total, sendo R$ 130,9 milhões oriundos de infrações de trânsito e R$ 343,3 milhões com serviços.

Segundo o DER, 55,36% desse valor (R$ 44,25 milhões) foram gastos com fiscalização e policiamento. Outros 28,06%, com engenharia e tráfego de campo, somando R$ 22,42 milhões. Com educação de trânsito, houve o empenho de apenas 9,3% do valor total: R$ 7,4 milhões e outros R$ 5,8 milhões em sinalização, que correspondem a 7,2% do total.

As multas impostas pelo DER por excesso de velocidade variam entre R$ 130,16 e R$ 880,41. Já as penalidades aplicadas pelo Detran começam a partir de R$ 88,38 e podem custar até R$ 293,47 aos condutores.

 

Veja Também