• segunda-feira , 22 Janeiro 2018

Com menos de 60% das metas em saúde atingidas, GDF deve apresentar explicações em 2018

Plenário do Conselho de Saúde manteve aprovação com ressalvas de relatório sobre gestão de 2016. Levantamento apontou que nº de bebês com sífilis foi maior que o programado, assim como tempo de chegada do socorro do Samu e espera por radioterapia.

Secretaria de Saúde do Distrito Federal (Foto: Raquel Morais/G1)

O Plenário do Conselho de Saúde do Distrito Federal manteve a aprovação com ressalvas do relatório que aponta que a Secretaria de Saúde não atingiu nem 60% das metas estipuladas para 2016, mesmo havendo quase R$ 500 milhões disponíveis na conta na época.

Levantamento da pasta apresentado à entidade – instância máxima de deliberação do Sistema Único de Saúde (SUS) a nível local – apontou que o número de bebês nascidos com sífilis foi maior que o “programado”, assim como o tempo de chegada do socorro do Samu e a espera por radioterapia.

Trecho de relatório que avalia desempenho da gestão da Secretaria de Saúde em 2016 (Foto: Reprodução)

A votação aconteceu na quarta-feira (13). Com a aprovação com ressalvas, a secretaria pode continuar recebendo os repasses do Ministério da Saúde. A preocupação já havia aparecido no relatório preliminar, em que conselheiros diziam que “possíveis restrições a repasses do Ministério da Saúde, que certamente iriam ofertar prejuízos à população do DF”.

Por e-mail, a Secretaria de Saúde disse que ficou acertado que a pasta “apresentará suas justificativas na primeira reunião do Conselho em 2018”.

Trecho de relatório que avalia desempenho da gestão da Secretaria de Saúde do Distrito Federal em 2016 (Foto: Reprodução)

“Uma comissão permanente do Conselho será criada com o intuito de propor metodologias que aperfeiçoem o acompanhamento das ações da Secretaria.”

Metas não atingidas

Também fora do “projetado”, não se conseguiu atingir os objetivos de cura de casos novos de tuberculose e Hanseníase, realização de mamografias, cobertura vacinal e investimentos em pesquisa.

Trecho de relatório que analisa desempenho da gestão da Secretaria de Saúde do Distrito Federal em 2016 (Foto: Reprodução)

Em relatório preliminar, o Conselho Distrital de Saúde reprovou a gestão feita pela Secretaria de Saúde em 2016 e afirmou que a falta de adaptações a falhas apontadas em anos anteriores (de 2011 a 2015) resultou em “grave prejuízo na qualidade e abrangência da assistência pública no Distrito Federal tanto para o ano de 2015 e por óbvio impactarão os indicadores sanitários de 2017”.

Trecho de relatório que avalia desempenho da gestão da Secretaria de Saúde do Distrito Federal em 2016 (Foto: Reprodução)

A análise é importante porque, depois de enviada aos órgãos competentes – Ministério da Saúde e Ministério Público –, pode ensejar em processos de improbidade administrativa, por exemplo.

Veja Também