• sexta-feira , 18 janeiro 2019

Bolsonaro terá 12 chefes de Estado e de governo em sua posse

A comitiva dos Estados Unidos será chefiada pelo secretário de Estado, Mike Pompeu; representantes de Cuba, Venezuela e Nicaraguá foram vetados

O presidente da Bolívia, Evo Morales, o único bolivariano chamado para a posse de Bolsonaro (Carlos Jasso/Reuters)

O presidente eleito Jair Bolsonaro deve receber na cerimônia de posse na terça-feira, 12 chefes de Estado e de governo, incluindo nomes como o do primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, com quem já almoçou no Rio de Janeiro nesta sexta-feira 28, e o boliviano Evo Morales, o único presidente do chamado grupo dos bolivarianos sul-americanos a confirmar presença.

Da América Latina, Bolsonaro conseguiu atrair para sua posse nomes alinhados com sua política mais conservadora, incluindo Mario Benítez Abdo (Paraguai) e Ivan Duque (Colômbia), além do presidente do Chile, Sebástian Piñera. Completam a lista de vizinhos Tabaré Vasquez, do Uruguai, o peruano Martín Vizcarra e o hondurenho Juan Orlando Hernández.

A comitiva dos Estados Unidos será chefiada pelo secretário de Estado, Mike Pompeu, apesar da intensa campanha para atrair o presidente americano Donald Trump para a cerimônia. Por tradição, os presidentes dos Estados Unidos não comparecem pessoalmente a posses presidenciais.

A Argentina, parceiro comercial mais próximo do Brasil na região, também será representada por seu chanceler, Jorge Faurie. Envolvido em uma crise política e econômica, o presidente  Mauricio Macri preferiu não sair do país.

A China enviará à posse o vice-presidente do Comitê Permanente da Assembleia Popular Nacional da China, Ji Bingxuan, em decisão considerada “protocolar” nos meios diplomáticos. Apesar de politicamente representativo, o enviado não tem status nas relações comerciais chinesas. Ainda assim, o país abre uma porta de relação com o Brasil, de quem é o maior parceiro comercial atualmente.

Vetados

Três líderes latino-americanos foram vetados pelo Ministério das Relações Exteriores por, segundo o futuro governo brasileiro, comandarem regimes ditatoriais ou de desrespeito aos direitos humanos: Daniel Ortega (Nicaraguá), Nicolás Maduro (Venezuela) e Miguel Díaz-Canel (Cuba) – os dois últimos haviam sido chamados, mas foram desconvidados logo depois.

Segundo especialistas, a decisão de desconvidar de última hora os chefes de Estado é inédita nas relações exteriores do Brasil pós-redemocratização. O recuo, considerado extremamente deselegante do ponto de vista diplomático, vai contra a tradição brasileira de enviar convites a todas as nações com que o Brasil mantém relações, até mesmo aquelas com governos autoritários.

“Tomamos uma decisão que vai contra a longa tradição brasileira de convidar todo o mundo para a posse”, afirma Rubens Barbosa, ex-embaixador do Brasil em Londres e Washington.

“Foi um equívoco, deveriam ter mantido os convites”, completa o diplomata, que critica também a opção do Brasil de desfazer os convites às duas nações, mas manter na lista de convidados chefes de Estado de outras nações tão ou até mais autoritárias do que Venezuela e Cuba.

“A decisão de desconvidar é um sinal de descortesia, um gesto pesado”, diz Alberto Pfeifer, coordenador adjunto do Grupo de Análise de Conjuntura Internacional (GACInt) junto ao Instituto de Relações Internacionais da Universidade de São Paulo.

Veja Também