• quinta-feira , 15 novembro 2018

Após 1 ano e 5 meses de racionamento, DF superou crise hídrica, diz governo

Governador Rollemberg negou que situação de escassez hídrica volte a ser enfrentada na capital federal

 

Governador Rodrigo Rollemberg explica fim do racionamento (Foto: Reprodução/TV Globo)

O governador Rodrigo Rollemberg (PSB) afirmou nesta quinta-feira (14) que “não se fala mais em crise hídrica no Distrito Federal”. Durante entrevista coletiva, ele fez um balanço desses 513 dias de racionamento de água e negou que a situação de escassez volte a ser enfrentada na capital federal.

Segundo Rollemberg, as obras de captação realizadas pelo governo, aliadas à redução de consumo por parte da população permitem dar, “com tranquilidade e segurança”, um ponto final ao racionamento.

“Isso não quer dizer que as pessoas devem voltar a desperdiçar água ou voltar a usar sem necessidade. O uso de água de maneira racional é um valor conquistado, um legado conquistado pela população de Brasília nesse momento de crise hídrica”, afirmou o governador.

Níveis dos reservatórios durante seca e cheia nos últimos anos (Foto: Reprodução/TV Globo)

Durante a coletiva, Rollemberg reafirmou que, mesmo com o fim do racionamento, a captação de água pela Caesb não vai voltar aos mesmos níveis de antigamente.

Antes da crise hídrica, a companhia estava autorizada a captar 4,9 mil litros de água por segundo da barragem do Descoberto. No auge do racionamento, caiu para 3,3 mil litros por segundo. A partir desta sexta (15), vai para 4,3 mil litros por segundo.

Segundo Rollemberg, a redução do consumo por parte da população e a chegada de mais água no sistema vão garantir conforto hídrico. A aposta continua sendo na inaguração de Corumbá 4, prevista para ocorrer no fim deste ano.

O governador também anunciou que os produtores rurais do DF terão mais tempo para irrigação das plantações. Durante o racionamento eles podiam tirar água do sistema de abastecimento apenas por três horas diárias. Agora estão autorizados a irrigar as plantações seis horas por dia.

Veja Também